Thursday, February 7, 2008

Top Ten Coisas Que Me Fazem Suspeitar Que Estou a Chegar À Meia-Idade

Já não me apetece pontapear, esbofetear ou, no mínimo, beliscar discretamente todas as crianças com quem me cruzo. Tem vezes que até penso “deixa lá, são só miúdos”.

Os meus sonhos eróticos deixaram de ter tons orgiásticos e tornaram-se bastante monogâmicos. As personagens femininas continuam, no entanto, a ser mulheres da limpeza, empregadas de balcão e senhoras das repartições de finanças.

Consigo ver filmes protagonizados pela Meryl Streep e até gostar bastante de alguns. Com a Mia Farrow é que ainda não.

Acredito piamente que há uma conspiração dos livreiros a nível mundial que decidiram diminuir o tamanho da letra nos paperbacks para que as pessoas como eu passassem só a ler hardbacks gerando assim uma maior receita. (Nota do Editor: as “pessoas como eu” a que o Ervi se refere são, neste caso, as pessoas de meia-idade e não os “génios esverdeados incompreendidos”)

Comecei a ter dúvidas se o sistema Indiano de “casamentos arranjados” não seria uma melhor solução.

Sou capaz de ouvir qualquer tipo de música e não ficar enervado. Mesmo o James Blunt.

Comecei a achar que as mulheres de 14 e 15 anos têm um ar “muito novinho”.

Deixei de ter paciência para muitas coisas que considerava fundamentais na homeostasia ervilhal, como por exemplo ir ao cinema semanalmente. O conforto de ver DVDs em casa onde se pode beber, fumar, coçar a micose ao natural, fazer pausa, rever as cenas de mamas ao léu em câmara lenta, ver extras, etc, é muito difícil de igualar. E de acrescentar que não fico irritado comigo próprio, nem me mando calar, se atender o telemóvel a meio de um filme.

Consigo sentir e prever as mudanças climatéricas em várias partes do corpo, nenhuma delas zona erógena.

A memória de acordar de tenda montada – pau feito – tesão de mijo parece cada vez mais longínqua e tenho tendência a interrogar-me se acontecia mesmo todos os dias ou se estou a imaginar coisas.

Consigo comer coisas que há dez anos só de olhar para elas ficava agoniado. Mas favas ainda não, isso é só na terceira idade quando começar todas as minhas frases por “No meu tempo”.

Já não tenho forças para odiar pessoas que nem sequer conheço, como por exemplo: o Zé Freixo e o Donaltim, a Júlia Pinheiro, o Badaró, a Manuela Moura Guedes, o Jorge Nuno, o Avô Cantigas, a Ana Faria e os Queijinhos Frescos, o Alberto João e a rapaziada do PNR. Se não fazem a mínima ideia de quem é que eu estou a falar é porque não têm idade para estar a ler isto.

Comecei a ter sérias dúvidas se valerá a pena ir votar. Continua a indignar-me o facto de a maior parte das pessoas ter direito ao mesmo número de votos que eu. Felizmente que nas eleições do Glorioso tenho direito a 20 votos. Aí sim, votarei sempre até morrer.

Faz-me uma certa confusão andar a conhecer tanta rapariga atraente no auge da sua sexualidade graças a este blogue. Não faz nada! De meia-idade mas ainda não estou morto, hehehe.

6 comments:

Mr X said...

Opá, tu nem me fales destas coisas...

Su said...

Ervilha, ervilha: tb eu sinto muitas dessas coisas, tirando a parte "A memória de acordar de tenda montada – pau feito – tesão de mijo parece cada vez mais longínqua e tenho tendência a interrogar-me se acontecia mesmo todos os dias ou se estou a imaginar coisas", pronto essa não! Lol, dada a minha condição de menina nunca senti isso.

Bjks

Bad Girl said...

Been there, done... ah, não. Não sei o que seja...

Poisoned Apple said...

Mas as primas favas são tão boas! :D

O último parágrafo é qualquer coisa... ;)

Mighty Aphrodite said...

é verdade, a idade dá-nos maturidade (ou pachorra) para não nos chatearmos com tretas sem importância. claro que nalguns casos, também poderá ser um sinal de amnésia. já nem nos lembramos do que dizer mal!

H4rdDrunk3r said...

"Faz-me uma certa confusão andar a conhecer tanta rapariga atraente no auge da sua sexualidade graças a este blogue."

Grande post, a fechar com chave de ouro.

Gostei.