Friday, March 7, 2008

Coimbra Report

Fazemos feiras de discos por amor à causa, pura carolice, mas a Feira de Coimbra é sempre um prazer redobrado, um festim ao quadrado. Quem é que não gostaria de interromper a rotina e estar vários dias a conviver com jovens universitárias e, ao mesmo tempo, rodeado por milhares de discos?

Na foto, é possível ver, em primeiro plano, a banca da Ó Fialho! Records. Sim, essa mesma onde estão dois marmanjos (digo camaradas, companheiros, amigos de infância) sentados, apesar de haver vítimas (digo clientes) a dar ao dedo no vinil.

Só há três coisas que os fazem levantar: 1) tabletes de chocolate, de preferência belga 2) notas de cinquenta euros ou de denominação superior 3) decotes avantajados e/ou a percepção de mamilos através da roupa. De resto, não tem nada que saber, é só dar-lhes comida, café e tabaco em intervalos regulares e tudo corre às mil maravilhas.

Não vou relatar os pormenores aterrorizadores do momento fatídico, mas posso assegurar-vos que é possível o fecho centralizado de portas de um Renault Mégane funcionar na perfeição com um dedito ou outro estrategicamente colocado entre a porta e o chassis.

Como consequência deste acidente de trabalho, que me impossibilitou de ajudar os meus companheiros de labuta nas actividades manuais, remeti-me para o papel de supervisor filosófico, estimulador da moral e de chefe que não dá o exemplo. Em suma, vi-me forçado a fazer de “mim próprio”.

Uma vez que este é o dedo preferido de muitas das minhas amigas, quero deixar aqui uma nota para as sossegar dizendo que não há razões para alarme, pânico ou histeria de massas e que, inclusive, a cabecinha (do dedo) até já mexe, embora faça um som semelhante a uma dobradiça com falta de óleo.

Depois do grave acidente, o staff da Ó Fialho! Records reuniu de emergência e deliberou por unanimidade que o hospital/ saco de gelo/ anti-inflamatórios eram para “meninas” e que o que se impunha era ir para os copos. Dito e feito. Descobrimos um bar de fumadores maravilhoso, que não tinha qualquer tipo de extracção, e deleitámo-nos com a atmosfera carregada de fumo enquanto emborcávamos quantidades obscenas de sumos de fruta.

De volta ao hotel, é nítido o efeito analgésico que os sumos naturais tiveram sobre mim. Ou isso ou estou a dar um traque de proporções épicas. Se querem que lhes diga a verdade já nem me lembro pois a Post-Traumatic Stress Disorder é lixada para a memória...

8 comments:

Anonymous said...

Epá! Com traque ou sem ele, não te imaginava nada assim! Tinhas de "sair do armário" com o tema livros como cenário! :P

Poisoned Apple said...

Estás com ar deveras stressado, coitado... :)

H4rdDrunk3r said...

grande report, senhor ervilha!

cbaBDS said...

Bem, Coimbra é sempre bom de recordar e quando há motivos de peso aínda melhor,de preferencia pouco pois torna-se mais "interessante".
Isso é que é uma crew dificil e cara de satisfazer, mas também grandres companheiros de feiras e de a longa data.
Quanto ao dedo é sempre de lamentar ou apesar das dores não foi feito propositadamente para evitar os trabalhos forçados?! Mesmo asim fica co um ar artístico e com esta moda de pintar e acrescentar unhas, sempres podes tentar nos ouros dedos para não ser o unico e talvez uniformizar as unhas da mão toda.
Bom fim de noite, mas em Coimbra não se esperava outra coisa, não sei é como deixaram entrar o elemento mas novo srá que foi porque estava acompanhado dos dois mais idosos...

Um abraço

LN said...

mas q mao tao linda! e q unhas tao bem roidas... se pudesse, dava beijinho no dedinho...

Anonymous said...

Roídas não! Aparadas com os dentes

Nuno Pedro said...

A imbativel equipa da Ó fialho!
Grandes saudades dum cliente, que por não ganhar o suficiente para discos teve que emigrar.
Ainda me lembro de ir a Coimbra (quase) de propósito para essa grande feira.

Já agora, será que ainda vos encontro em Abril por cá: http://www.recordplanet.nl/index_nl.php ?
Um grande abraço

ms said...

ainda bem que não tive tempo de lá ir!