Thursday, June 26, 2008

Na Cama Com Ervi II

Desde tenra idade que sou um fanático da prevenção rodoviária. Em catraio fiz um workshop com kartings no Jardim Zoológico e ainda hoje trauteio com frequência o jingle: “olha à esquerda antes de atravessar, depois à direita e não tenhas pressa, nunca te esqueças, não andes na lua, PARA! OLHA! Depois atravessa”. Além disso também me mantenho fiel à máxima de que “comigo as crianças, é sempre atrás!”.

A puberdade fez-me dar o salto da estrada para o leito e tornei-me obcecado com a segurança e integridade das minhas companheiras. Mais que as doenças sexualmente transmissíveis, o que sempre me motivou e me manteve hirto, firme, informado e alerta foi a possibilidade remota de fecundar, com um tiro certeiro no porta-aviões, alguma das minhas namoradas.

Por isso, nunca brinquei em serviço, nem com termómetros, nem com aspirinas, nem com disparos para o umbigo, nem com o Benfica a jogar em casa, nem a jogar fora, nem com as marés no Dafundo e na Cruz Quebrada, nem com a ausência da gravidade, nem com o bacalhau avinagrado, nem com o colar de alhos pendurado ao pescoço.

Apesar de toda esta preocupação profilática, durante muito tempo senti que não estava a fazer o suficiente. Foi só no dia em que a Vanessa (a que gaguejava e não a da roulotte das farturas), com os copos, decidiu ir com o capacete da Vespa para a cama, que eu me libertei de todas as amarras e dei os 110%. Várias vezes. Mesmo depois de ela ter ficado inconsciente. E vomitado.

Como não há bela sem senão, passei a depender do capacete para conseguir funcionar em condições, facto que assusta algumas das minhas vítimas no primeiro encontro. Pela positiva, fico cheio de comichões e pensamentos acrobático-fantasiosos sempre que vejo motociclistas, bicicleteiros, scooterelhos, sk8ters, trotinetistas ou o Peter Cech.

9 comments:

Gi said...

No prevenir é que está o ganho ;)

GK said...

LOL
Muito obrigada pelo desabafo. Agora vou passar a pensar neste post sempre que vejo um daqueles capacetes bem garridos com chamas pintadas e assim... Daqueles que se fazem notar...
LOL

Noiva Judia said...

Estou a ver que não és esquisito no que toca ao capacete... até mesmo um daqueles tipo penico te desperta tais pensamentos "acrobáticos"?

Nikky said...

Com a imagem da Vanessa inconsciente depois de ter vomitado gravada no inconsciente, como é que eu vou voltar a enfiar o capacete para ir andar de bicicleta...? LOL

Marta said...

LOL
desconfio que nunca mais vou conseguir ver um jogo do Peter Cech sem me lembrar deste post...

Doce Veneno said...

Ahahahahahaha

Muito bom, já há algum tempo que passo por aqui e hoje apeteceu-me comentar ehehehhe.

Beijocas

barbarija said...

Vade retro!Quero saber onde moras para não passar por lá quando vou para o trabalho na minha duas rodas e de capacete vermelho

M. said...

Para este post só tenho uma palavra ou melhor gargalhada: AHAHAHA!

Nuno T said...

O 3º parágrafo, aquele do "não brinco em serviço", deixou-me num estado... como direi... pá não sei.
É outro nível que nos transporta para o mundo da loquacidade capaz de nos fazer visualizar coisas como "disparos para o umbigo".