Tuesday, December 16, 2008

Desafio : Livros da Minha Infância

A Gi, a quem só falta um 31 na vida, lançou-me este desafio engraçado que consiste em recordar a magia dos primeiros contactos com os livros. Para os mais novos de entre vós posso-vos dizer que "livros" são conjuntos de folhas impressas ou manuscritas reunidas num volume. Sim, exactamente, aquelas cenas que costumam aparecer no Parque Eduardo VII lá para Maio/Junho.

Inevitavelmente, começo pelos quadradinhos e bem. Muito antes de saber ler já devorava as histórias do Walt Disney com uma sofreguidão fora do comum. Com três anos, também já obrigava a mulher-a-dias/ ama a ler-me as minhas passagens favoritas enquanto me dava o almoço. Às vezes as mesmas meses a fio. E aí dela que se enganasse!

Gostaria de ter posto aqui uma imagem do Disney Especial nº6 "Os Inesquecíveis" de 1972 que me marcou de forma particular. É que para além de ter sido o meu primeiro DE, trazia a primeira estorinha com o Esquálidus a que tive acesso, um dos meus personagens favoritos de sempre. Tal não foi possível pois está demasiado bem arrumado num armário de difícil acesso, barricado com tapetes de arraiolos, candelabros e frasquinhos de crianças em formol. Fiquem com este Zé Carioca de 1965, o mais antigo que possuo em bom estado de conservação e não digam que vão daqui mal servidos.


Indispensáveis na formação de uma mente masculina de superior qualidade são os 4 pilares da banda desenhada franco-belga em álbum de capa dura. A saber: Astérix, TinTim, Spirou e Lucky Luke. O exemplar que aqui mostro era pertença da biblioteca de uma escola pública que frequentei. O meu advogado diz-me que este meu acto de esquecimento já prescreveu e que não corro riscos de maior com esta minha confissão.


O primeiro "sem bonecos" nunca se esquece, e este, da autoria desse grande senhor que foi Alfred Hitchcock, é o meu. Se moldou para sempre a minha fervorosa anglo-saxonia e o meu fraquinho por literatura policial, não sei, é provável. O que sei é que durante muitos anos guardava documentos preciosos (cartas de amor, rankings de namoradas, listas negras dos críticos de música que diziam mal dos Queen, etc.) entre as suas páginas e hoje, quando o fui desencantar para sacanear, encontrei um envelope com uma chave misteriosa lá dentro. Não me lembro o que abre mas tenho uma forte suspeita que será um duplicado da chave do cofre da minha irmã. E mais não digo que o meu advogado, desta feita, aconselhou-me o silêncio.


Na mesma linha, mas mais unissexo (como se costumava dizer), temos a incontornável Enid Blyton, essa formidável Agatha Christie para petizes. Nunca fui muito à bola com "Os Cinco" mas "Os Sete" e esta colecção do "Mistério" faziam-me companhia nas noites longas de Inverno antes de a puberdade me ter alterado as prioridades.


Termino com algo diferente: uma prenda de décimo aniversário, um exemplar do Grande Atlas Mundial. Oferecer-me um livro deste era deitar gasolina na fogueira e alimentar as minhas obsessões geográficas e estatísticas e estimular a procura incessante do conhecimento. Até hoje nunca me curei.

Devido ao prazer que tive a conceber este post peço aos meus nomeados que não se considerem praxados como é habitual nestas coisas, mas sim honrados. Segue então o desafio para a The Queen que ansiava por publicidade grátis, para a Mad que não tem nada que fazer e precisa de se distrair, para o Osga que anda desanimado com o conteúdo do blogue e até já pôs uma foto de um gajo com uma erecção a ver se espevitava, para a Palah que anda a ouvir a voz do Alan Rickman dentro da sua cabeça e para a Margarida que (quase) todas as manhãs é a primeira a visitar-me e, consequentemente, a primeira pessoa a quem eu estrago o pequeno-almoço.

PS: Tirando "as crianças em formol" (são só fetos), levam aqui um post de não ficção que é para variar. Por isso, vejam lá se são meiguinhos nos comentários que eu sinto-me muito exposto!

15 comments:

Mad said...

Giro mesmo!

Ana Laranja said...

Os cinco! Eu assim que aprendi a ler devorei todos os livros dos cinco!

margarida said...

Ahahah! Eu sou a primeira porque aqui são mais duas horas, o que faz com que enquanto estão todos a dormir já eu trabalho que nem doida! :p

Patalógica said...

tirando o tintin, fui grande adepta desses 4 pilares ...na altura não me avisaram (ainda bem!) que o Lucky Luke era leitura para meninos...

Angelblue said...

Professor Pardal, um classico da minha infancia e Asterix, muito bom :D tb adorei a fase dos "Sete" e mais tarde a fantastica BD de Manara. BJ *A foto do meu blog é da fase da espuminha ;) lol

Filoxera said...

Não venho insultar nem dizer mal e sei que dinheiro também ninguém tem para dar.
Vim conhecer os outros blogues nomeados pela Gi para este desafio.

maria teresa said...

Querido Ervi

Fiquei muito sensibilizada ao ler as tuas recordações de infância, no que diz respeiro, às tuas primeiras "leituras".
A história contada milhares de vezes, era sobre um cãozinho chamado Iupi e, quem ta contava, muitas vezes, era a tua mãe e não a Margarida que trabalhava em tua casa apenas dois dias por semana.
Aliás o teu gosto pela leitura herdaste dela e do ambiente, rodeado de livros, em que cresceste, foste amado, mimado e educado.

Beijinhos

hershinha said...

eu era mais "anita no campo" ou "anita aprende a nadar" e todas as outras peripecias da anita porque tinha a colecção quase toda! tambem li lucky luke, turma da monica, asterix e depois atirei-me de cabeça ao triangulo jota!

JS said...

Como é que um homem que lia Os Cinco, não sabe o que são os copos do Juá?!

Liz said...

Os cinco ... devorei a colecção inteirinha.

Vasculhei o teu blog todo e gostei muito.

Nani said...

Enid Blyton ... devorei tudo dela! Ou achas que o nome do meu blog se deve a esquizofrenia?!? :P

Restelo said...

Boas escolhas!

TeddyLover said...

Também aceitei o desafio da GI. Tenho estado a visitar os por ela convidados para este desafio. Tenho encontrado em todos muita coisa em comum.
O seu post é mais um com muito em comum com o meu...

margarida said...

O Mistério da Casa Queimada foi o primeiro livro dos Sete que li, depois aluguei mais alguns na biblioteca da escola, mas nenhum bateu esse. (talvez por ter sido o primeiro)

Gi said...

Fazer este desafio vale mesmo a pena e é um verdadeiro prazer, que peca apenas ... por defeito, tantos são os livros e revistas que nos educaram e instruiram.