Thursday, April 2, 2009

Grave

O grave problema da pornografia é que fere de morte todo o romantismo naturalmente imbuído na actividade masturbadora


Sei que afloro com regularidade este tipo de questões mas à falta de outro grande pensador contemporâneo na área, tenho mesmo de ser eu. Não que me importe, sou grande adepto do futebol, dos livros policias, da pornografia e de outras artes de traseira. Aliás, quem acha que o porno é um género menor é porque nunca teve sequer um vislumbre de uma película, pois aquilo é do maior que há.

5 comments:

Bi said...

"Artes de traseira"? Fiquei baralhada.

Confesso que não sou grande conhecedora da matéria - filmes porno. Lembro-me de ser petiz e espreitar a Emanuelle - nem deve ser assim que se escreve, e ficava doida, sem perceber ainda que estava excitada.

E devo dizer-te que das muitas vezes que me masturbei, e masturbo ainda, não foi por ver pornografia. Não há nada melhor do que sermos nós próprios a imaginar tudinho.

Mas lá está... Não tenho nada contra.

Gingerbread Girl said...

Aaaaah... do maior que há?

Isso depende...

Patalógica said...

por acaso, conheci um gajo que me tentou convencer de que comprava filmes porno (ás dúzias!) só porque apreciava o trabalho do realizador... porque eram todos filmes de alto nível! LOL!

PKB said...

Há romantismo na masturbação?... tens de desenvolver essa ideia, pá!

Fada said...

Auto-romantismo em auto-sexo... Huumm...

beijitos :p