Saturday, June 23, 2007

Como Comer Marisco Com Classe (Parte I - Tremoços)



Os tremoços são nossos amigos. Na realidade, até são nossos primos afastados, somos da mesma grande família: os Fabaceae. Fino não acham? Soa a Mecenas da Renascença Florentina.

Apesar de afastados convém não andar na pouca vergonha com os tremoços. Em primeiro lugar, eles são de um ramo mais pobre da família, quase sempre distribuídos gratuitamente e têm a infelicidade de ser da cor errada do ponto de vista vegetal (e isto apesar de terem uns cotilédones enormes!).

Depois, segundo o rigoroso sistema de castas, não convém nada cruzar a casta superior dos frutos (nós) com a casta inferior das sementes (eles), pois nós somos o produto acabado à imagem de Deus, uns verdadeiros “super-sumos” , enquanto eles são meras promessas de seres com poucas probabilidades de singrar na vida real (tal e qual os júniores do Benfica).
Além do mais quem é que iria querer criar algo chamado “TreMula”, “ErviMacho”, “Tremilha” ou “Ervimoço”?

Aqui, tal como noutras situações, a regra sagrada de etiqueta é: nunca ter mais do que um na boca em simultâneo.

O tremoço deve apresentar-se já devidamente humidificado e com a casca protectora imaculada. Uma rápida análise da cor também serve para despiste de tremoços fora do prazo de virilidade.

Há três técnicas base para papar o tremoço com classe. Estas podem ser aplicadas em público ou privado, isoladas ou combinadas, paradas ou em movimento.

Aos iniciados eu aconselho que peguem no tremoço com o polegar e o indicador (mantendo sempre o mindinho esticado) e suavemente o coloquem na língua como se de um comprimido se tratasse. Depois fechem os olhos, pensem no Cristiano Ronaldo e engulam.

Esta técnica é a mais segura e higiénica pois o tremoço é deglutido de camisinha protectora intacta. Infelizmente também é a técnica menos saborosa (não há bela sem senão) e designa-se por “Tremoço à Tia" ou "Tremoço à Mete-Nojo".

Para quem está no nível intermédio recomendo a técnica do “Trinca, Cospe e Dispara”. Tal como o nome indica é necessário colocar a zona de abertura do tremoço (o endosperma, não tenham medo!) entre os incisivos e trincar. Embora a trincadela seja um acto culturalmente generalizado é de crucial importância que seja executada com moderação. O objectivo é liberar o tremoço e não incapacitá-lo para a vida.

A seguir eu recomendo vivamente que se cuspa com charme e elevação o restinho que ficou na boca, especialmente se se estiver num local público. Para issso usa-se a língua para guiar e um dos cantos da boca para expelir.

O estigma social de “aquele/aquela engole” é um preço demasiado alto a pagar por um tão pequeno prazer. Às vezes engolem-se restinhos de forma involuntária e nesse caso, nada a fazer, segue jogo, se se tem a fama há que ter o proveito.

Com o tremoço já circumcidado, por assim dizer, e segurando-o mais uma vez entre o polegar e o indicador aponta-se a abertura do dito para o céu da boca e dispara-se. Et Voilá, está feito!
De referir que esta técnica tem dois inconvenientes de maior: perigo de engasgar, especialmente com os espécimenes maiores, e perigo de atingir civis inocentes, quando não se aponta devidamente.

O “Espreme e Desliza” é a técnica rainha entre os mais avançados, entre os tremofílicófágicos (neologismo ervilha) profissionais. Requer uma extrema destreza e coordenação oral-manual. Usam-se as duas mãos alternadamente e três dedos de cada mão.

O tremoço é colocado sobre o indicador e o dedo médio que estão juntos e depois num movimento contínuo de cima para baixo é espremido pelo polegar (exactamente como quando estão a enrolar um burrié ou a espremer mamilos de alguém por quem nutram alguma simpatia).

Imediatamente a seguir, a língua recolhe o tremoço num movimento supersónico (estilo camaleão), que desliza de forma natural, e quiçá sensual, pela língua afora. Esta técnica não deve ser utilizada na presença de crianças e/ou de pessoas impressionáveis, pois é de uma voracidade e sofreguidão assustadoras.

5 comments:

Anonymous said...

"Glande" tremoço!!!!!!!!"Glande" estória!Lembrar-me-ei dela sempre que deglutir tremoços e afins (exclusão feita às monocotilédoneas, entenda-se).

ass: mamalhoa (ex-vidente de Fátima, essa glande Senhora)

Ervilha Escriba said...

Com Mil Prepúcios! Nossa Sra. do Escroto (da Buraca)! Não é que já tenho "leitolas" chinesas??? Ainda por cima bióloga!!

"Cumplimentos" e "obligado"!

Anonymous said...

A seguir só podem ser caracóises....

JEFFREY

Me Hate said...

Bem, realmente já o Eusébio dizia: Venha o marisco!!!!

Ervilha Escriba said...

O próximo vai ser: Como beber champanhe com classe (com uma palhinha)